quarta-feira, 8 de agosto de 2018

O fardo de ser um fardo


A ansiedade é um fardo. Quem vive com ela sabe como o nosso dia-a-dia é determinado pelas sensações que ela nos dá. Como simples tarefas e planos viram obstáculos enormes.
Para quem sofre de ansiedade sabe como é difícil manter os planos. Pessoalmente, adoro planear e programar as minhas actividades, e esquematizar na cabeça os meus dias. Isso faz-me sentir preparada e mais relaxada. No entanto, a ansiedade não segue um guião. E aparece quando lhe apetece, estragando planos e prospecções. 
E se para nós, que sofremos com ela, é horrível, é também horrível para quem nos acompanha. 
Para quem nos rodeia, principalmente para o nosso núcleo, por muito que se informem e tentem perceber, por vezes é complicado lidar com certas reacções.
Podia contar-vos dezenas de histórias que onde a ansiedade teve a palavra final nos meus planos e como isso ditou também os planos de quem me acompanhava, mas vou-vos contar uma que foi um dos momentos marcantes para me levar a procurar formas de controla-la.
Os meus pais sempre foram apreciadores de boa comida e visitar restaurantes era uma das nossas actividades favoritas. Havia pratos específicos que gostávamos de comer em determinado restaurante e gostávamos de partilhar-lho com amigos. Ora, uma das melhores vitelas no forno que comi na vida foi em um restaurante em Oliveira de Frades. O restaurante era mesmo muito bom e várias vezes levamos lá amigos. Sendo que a viagem para lá é feita através da serra, as paisagens são maravilhosas também.
A última vez que combinamos lá ir com um grupo de amigos, eu tive um dos maiores ataques de pânico que tive na vida.  
O caminho pela serra é feito por estradas apertadas e com grandes ribanceiras e logo de manhã ao acordar e pensar que tinha de fazer esse caminho para chegar ao restaurante comecei a sentir os efeitos da ansiedade, que culminaram num ataque de pânico em frente a várias pessoas, que por muito que tentassem entender o que se passava, ainda hoje não conseguem e ainda "brincam" com o que se passou naquele dia. Ninguém foi ao restaurante nesse dia e escusado será dizer, que mesmo depois de muita terapia, muito trabalho feito, ainda não lá voltei.

Isto é apenas um episódio, dos muitos pelos quais passei. Os meus pais, agora o meu pai, o Eddie e os meus familiares mais próximos e amigos sabem com o que lido todos os dias. Sabem que as vezes não saiu para aquele sítio novo ou não vou a um concerto não é por má vontade, mas sim porque não consigo.
O Eddie sabe que tenho de planear para me sentir confortável mas que muitas vezes vou cancelar os planos e optar por algo que me deixe confortável, que conheça. E por muito que estejam do meu lado, que percebam, sei que pode ser um fardo. Um fardo que eu nunca quis ser mas que, mesmo depois de muito lutar, sei que sou.
Tenho a sorte de ter um companheiro que me faz desafiar os meus limites e está lá para me abraçar e dizer que o que estou a sentir é válido. Mas nem toda a gente entende e pior ainda, nem todos que sofrem de ansiedade têm alguém que lhes dê a mão.  
O mundo não está preparado para lidar com este tipo de problema. Ainda é tratado com desdém e colocado, muitas vezes, num patamar de oportunidade e não de doença. Como se as pessoas com ansiedade a usassem para justificar muita coisa que não querem fazer. Quando é precisamente o contrário. A ansiedade prende-nos de conquistar o mundo e isso é o maior dos fardos.

Vou começar a falar mais do assunto. Da ansiedade, da depressão, da POC. É preciso falar mais, normalizar para resolver. Dar caras às doenças. Dar voz. 
Espero que continuem aí para ler. 





7 comentários:

  1. Fazes muito bem falar mais destes temas, tens toda a razão.

    E, eu vou continuar aqui para ler, sem dúvida! :)

    Também padeço do mesmo, entendo bem. Já consegui vencer muitas batalhas, e, sozinha. Neste momento estou bem melhor. Parece que não, mas estas coisas também melhoram. Força.

    E, acredita, não és nem nunca irás ser um fardo para quem te ama. E para a pessoa mais importante de todas TU própria.

    Além do mais tens muita sorte, porque tens uma pessoa especial que valida o que sentes, e isso - o ser reconhecido - faz toda a diferença. O que tu sentes importa..! :)

    Um beijinho grande!

    ResponderExcluir
  2. Fazes muito bem em falar disso e claro que vou por cá continuar.
    Sofro do mesmo mal, mas estou sozinha.
    O meu marido não entende e diz sempre para não pensar nisso. Como se funcionasse assim =)

    Eu não consigo explicar, às vezes ponho-o a ler coisas para ver se entende...
    É complicado.

    Beijocas

    ResponderExcluir
  3. E devemos falar mesmo sobre este tema!
    https://jusajublog.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Sei bem o que passas.
    E relembro: não somos um fardo, não podemos pensar assim. Ou abriremos mais frechas em nós.

    Força querida1 ***

    ResponderExcluir
  5. É super importante falar destas doenças Espero que encontres sempre forças para vencer essa luta e que estejas sempre rodeada dessas boas pessoas.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  6. Sofro do mesmo problema há uns 2 anos mas ainda não tive coragem para falar sobre ele, hoje deste-me a inspiração que eu andava a precisar.

    ResponderExcluir
  7. Também sofro de ansiedade. E ninguém compreende totalmente, a menos que sofra do mesmo. Obrigada por este post, é mesmo preciso falar disto.

    ResponderExcluir