sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Amor próprio

Muitos são os que ficam espantados quando digo que não há ninguém no mundo que ame mais do que a mim própria. É a verdade.
Não é um amor narcisista e egoísta, é um amor puro e simples. 

Não sou uma pessoa que me coloque à frente dos outros, muito pelo contrário, sou dessas pessoas que lutam dia após dia, pelo bem comum. Muitas vezes suprimindo vontades para que no geral tudo se torne melhor.
No entanto, não me coloco numa situação de desvantagem em relação a ninguém, não me menosprezo. E isso é, para mim, o amor próprio. 
A consciência plena de que sou tão importante como qualquer outra pessoa. 
Não me vanglorio, mas também não me inferiorizo. E jamais deixo alguém sequer tentar fazê-lo.
Luto por mim como luto por aqueles que mais amo. Motivo-me como motivo os demais.
Sinto orgulho em quem sou e no que conquisto. Tento ser melhor sem nunca me esquecer o que já sou. Não prego a conversa da coitadinha que implora por elogios vazios, porque não preciso deles. Sou auto suficiente e muitas vezes a minha melhor companhia. 

Há quem confunda este sentimento com arrogância. Não é e nunca será. 
Gostar de nós nunca poderá ser arrogância mas sim respeito. 
Sou uma espécie de claque privada de todos os à minha volta, porque acredito que existe demasiadas pessoas que não gostam delas devido às pressões sociais.
Às amigas que se menosprezam dou elogios sinceros e tento que se vejam com outros olhos. Aos familiares desmotivados, tento mostrar todo o trabalho fantástico que fizeram ao longo da vida. Ás minhas pequenas crianças (sobrinhos e primos) tento que incutam desde cedo que não sendo pessoas melhores que ninguém, são especiais de um jeito único. 

Acredito que esta minha posição em relação a mim vem muito da forma como fui criada. Os meus pais nunca me disseram que podia conquistar o mundo sem trabalho. Disseram sim que com esforço e dedicação eu podia tudo. Que não era mais que nenhuma criança mas que a cada dia me podia tornar uma pessoa melhor. Que eles me amavam mais que a vida mas só eu podia construir para mim a força avassaladora de ver o melhor de mim e da vida. 
Isto foi determinante para ser a pessoa que hoje sou.

Sou confiante. Sei o que sou. Sei as minhas limitações e sei que isso não me torna obsoleta mas sim humana.

Amo-me, mesmo. E cultivo esse amor sem medos. 
Porque pensando bem, temos de levar connosco até ao último dia por isso mais vale gostarmos de nós, de verdade. 

16 comentários:

  1. Bom post!

    Eliana,
    https://around-eliana.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  2. Digo isso imensas vezes. E sou mesmo a minha melhor companhia. Afinal de contas, ninguém me conhece melhor que eu. :) Passo a maior parte do meu tempo sozinha e, embora muita gente ache que isto é defeito, eu adoro estar sossegadinha no meu canto.

    Gostei muito de ler isto. Identifico-me com bastantes pontos. E gostava de ser mais como tu, noutros.
    Quando alguém se menospreza, eu tendo a ser mázinha, porque detesto essa atitude. Então lembro, sim, de que se devem amar e deixarem de se deitar abaixo, mas não o faço da maneira mais meiga. (Irrita-me. :/)

    Quanto às conquistas, ainda tenho muito a caminhar. Sinto que ainda não conquistei nada, nesta vida, mas não vai ser isso que me vai fazer deixar de me amar. Tive coisas que me deitaram abaixo e tenho noção de que não sou de ferro e de que me deixei cair, agora só tenho de me levantar e lutar, mas sem nunca deixar de gostar de mim. Isso não!

    Obrigada por isto! Gostei mesmo, mesmo, mesmo de ler. Nunca tinha ouvido ninguém dizer tais palavras e, como dizes, há gente que se espanta, quando (acho) que esta deveria ser a atitude normal perante a vida (Mais a tua, que a minha, visto que ainda tenho muito em que trabalhar.haha Mas o essencial já está cultivado.)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que é todo o processo de crescimento que nos leva a pensar e a valorizar as coisas certas =)
      beijinho

      Excluir
  3. Se não nos amarmos a nós próprios ninguém amara :)

    ResponderExcluir
  4. Tu escreves tão bem! Identifico me imenso com o que escreves.
    Beijinhos
    elisaumarapariganormal.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  5. Uauuuu! Apesar de me sentir assim em algumas coisas, há vezes em que algumas inseguranças levam a melhor. Mas gostei tanto do que escreveste e, peço-te, escreve mais vezes! Este texto foi um verdadeiro abanão para mim, acredita. *

    With love, Miss Melfe

    ResponderExcluir
  6. Demorei duas décadas a chegar lá, mas hoje sou apaixonada por mim própria. Gosto da minha própria companhia e gosto de saber quais as minhas qualidades, mas também os aspectos em que preciso de melhorar. Para o bem e para o mal, sou única.
    Acredito que ao gostarmos de nós e estarmos em paz, também conseguimos mais facilmente gostar dos outros e torcer por eles :)
    Foi bom ler os teus pensamentos, que coincidem com muita coisa que defendo!

    ResponderExcluir
  7. Adorei este post! Assim é que tem que ser, vê-se que de facto os teus pais te transmitiram o essencial, mas que tu também tens uma atitude fantástica em relação a ti e ao que te rodeia :)

    ResponderExcluir
  8. Muito bom!
    Xoxo
    http://myheartaintabrain.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  9. eu só queria ser um pedacinho mais como tu neste aspecto

    ResponderExcluir
  10. Gostei da posição em que te colocas, acho que é muito saudável e equilibrada! Se todos fossem assim seria tudo mais fácil :)

    ResponderExcluir
  11. E acho que fazes tu muito bem!
    beijinhos
    http://direitoporlinhastortas-id.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. És uma pessoa fantástica, foi o que vi neste post! :) Gostei imenso de ler, de verdade. <3
    The Fancy Cats

    ResponderExcluir
  13. Mas que texto magnífico! Que continues sempre a superar as inseguranças e a amar-te dessa forma! <3

    ResponderExcluir