quarta-feira, 9 de março de 2016

A palavra mais crua.

Racismo.
É uma palavra que me arrepia. 
Magoa.
Desilude.
Revolta.

Na minha ingénua infância acreditei vivamente que o racismo já não existia. Bem, não era como se tivesse sido irradicado do mundo, mas acreditava que nas gerações mais jovens, muito longe dos laivos coloniais, o racismo não ia ser propagado para o futuro.
Até que me apaixonei por um mulato. 
Dono do melhor sorriso do mundo.
Dono do mais perspicaz e sarcástico humor.
Dono do meu coração há oito anos. 

No dia em que me assumi como namorada do E a minha vida mudou. E nas milhares de coisas maravilhosas em que mudou, houve uma não tão maravilhosa. Nesse momento os meus olhos abriram para uma realidade que não queria ver. Que o racismo existe, em todo o lado.

Já vi olhares de desprezo, já fui abordada na rua por ir de mão dada com um preto, já me perguntaram porque perdia tempo a namorar com um mestiço.
Já fomos seguidos numa loja, já nos menosprezaram em várias lojas, já nos trataram como humanos de segunda (se isso existe).
Mas de tudo, o que mais me choca é que se eu estiver sozinha, com a minha pele clara, ninguém me tratará diferente. Serei bem-vinda a qualquer local, serei bem tratada em qualquer sitio.
Mas ele, um dos melhores seres humanos que eu conheço, é, dia após dia, marginalizado pelo seu tom de pele. Nada mais. Apelas porque não é branco.
De tudo é o que mais me dói. 

Nestes oito anos, nas mais variadas situações, eu reajo. Por muito que o E me diga que não vale a pena, tenho de reagir. Porque por muito que a nossa pele seja de cor distinta, a dor que sentimos é igual. E não consigo admitir que o magoem e maltratem por nada. 
Porque o racismo é nada. É um vazio de nada no intimo de quem o propaga. 

Já gritei, já chorei. E continuo sem entender como nem porque.

Se tudo correr bem, um dia terei filhos com herança genética negra. Com orgulho. 
Mas sei, que mesmo hoje, neste mundo tão avançado, irão sofrer preconceito. Irão ser chamados de pretos, como se isso fosse uma grande ofensa. 
E no dia que me perguntarem porque é que os tratam assim eu responderei que não sei, porque quando olho para o pai deles apenas vejo o melhor sorriso do mundo. A pessoa mais carinhosa, estimulante e honesta. O único homem que faz o meu coração vacilar de emoção.
Jamais vi cor e jamais verei. 

16 comentários:

  1. Nem quero imaginar o que isso é. Tenho o maior respeito por quem sofre isso na pele. É tão descabido, que nem há palavras.

    Nesse aspecto, sou "racista" no sentido oposto. Haha Sempre disse que queria adoptar uma criança negrinha. Nada contra as crianças brancas. Crianças são crianças e ponto!!!
    Mas as negrinhas conseguem despertar o dobro das emoções em mim. Se a criança, em sim, já é honesta, nas crianças negrinhas consigo ver ainda mais honestidade. Nas séries, por exemplo, se uma criança negra chora, eu choro (baba e ranho), é automático e se ri, eu rio em dobro. Acho que têm mesmo o sorriso mais lindo. Há um episódio de Chicago Fire que me fez perceber isto ainda melhor. Chorei todo o santo episódio por causa de uma carinha fofinha de uma criança negra. Têm esse efeito em mim, mas acho que o motivo é bom. :)

    Mas quando digo isto, vejo reacções feia, isso vejo.

    ResponderExcluir
  2. Não imaginas como o teu texto me pôs a chorar! Espero que sejam mesmo muito felizes e tenham os bebes mais lindos do mundo! :)

    ResponderExcluir
  3. A sério? Eu pensei que isso já não existisse de forma tão acentuada como antigamente. É triste que ainda haja pessoas com uma mentalidade tão pobre.
    Sejam felizes e esqueçam o resto!
    Beijoca***

    Visita: momentomaravilha.blogspot.pt e se gostares, Segue!

    ResponderExcluir
  4. O que essas pessoas fazem, com certeza só fortalece o que sentes! Beijinhos

    ResponderExcluir
  5. Que horror, que coisa assustadora. Força para os dois e que tenham filhos mestiços lindos de morrer. Quem tem atitudes preconceituosas a esse nível é merda. Beijinho e que desejos que o vosso amor dure para sempre <3

    ResponderExcluir
  6. A sério???? Bem, eu sei que o racismo ainda existe mas, nessa proporção toda não imaginava. Faz-me impressão que isso, sequer, exista, pelo menos aqui sei lá. Um portugal que é tão vasto de culturas, e ainda há racismo... Sinceramente... Olha, que tenhas força e paciência, que vivas e sejas feliz porque isso é o que importa acima de tudo.

    beijinho
    www.blogasbolinhasamarelas.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  7. é inacreditável como a sociedade ainda é tao racista e tao "mente fechada" .. pessoas infelizes e sem vida própria.
    Muita força e coragem e sê feliz acima de tudo!

    ResponderExcluir
  8. Mesmo não estando numa situação como a tua, com o teu texto senti como se estivesse... Senti-me revoltada por saber que o racismo ainda existe... e Senti-me emocionada pelas tuas palavras para com o teu "E"... e sabes que mais... Eu gostava de ter um bebe mulatinho... são tao lindos *.* e com esse amor todo, os vossos bebes serão ainda mais lindos. O meu Miúdo tem um tom de pele escura para um ser caucasiano normal, mas duvido que me saiam mulatinhos :p sortuda tu :)

    ResponderExcluir
  9. Nunca passei por isso, mas vejo-o diariamente, pois vivo num país extremamente racista e xenófobo (por muito que gostem de fingir que não). Imagino que seja mesmo muito difícil, mas o importante é apoiarem-se sempre um ao outro. Vocês sabem que são os outros que estão errados (;

    Força!!! ***

    ResponderExcluir
  10. *correcção: irradicado ;)
    (desculpa, não resisto a corrigir erros)

    Quanto ao racismo, acho que se resume a falta de conhecimento, cobardia e autentica burrice

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tens toda a razão. Queria usar mesmo a palavra "irradiado" como difundido, mas continua a estar incorrecta a formação da frase.
      Obrigada =) vou corrigir!

      Excluir
  11. Infelizmente ainda há muito preconceito. Vive a tua vida e não ligues aos outros. Os teus filhos serão lindos ;)
    Beijos

    http://nailsbyanas.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  12. Porra. Sabia evidentemente que o racismo persiste, mas costumo notá-lo em coisas mais gerais como quando alguém diz "aquele, o preto" para identificar alguém, em vez de identificar a pessoa por qualquer outra característica. Não pensei que as pessoas ainda tivessem lata e maldade para tratar assim alguém diretamente, principalmente em Portugal. Acredito que seja revoltante, até eu fiquei revoltada ao ler.

    ResponderExcluir
  13. Quando li o teu texto fiquei revoltada. Não sabia que ainda havia esse preconceito tão exagerado como tratar alguém mal pela cor. Sei que ainda há racismo, vejo-o em notícias, na internet. Mas nunca pensei que ainda assim, dessa forma tão mesquinha. Continua a lutar e nunca te conformes, nunca!

    http://venus-fleurs.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  14. É um golpe no estômago ler um texto como o teu!!! A revolta é tão grande e só apetece insultar !!! Como é possível que haja quem passa por isso que tu relataste e viveste!!! Fico cega com estas questões :(((((
    elisaumarapariganormal.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  15. É triste mas a verdade é que o racismo continua a existir em grande quantidade, não compreendo o porque e realmente é algo que me deixa fora de mim!

    Beijinhos, Hellen :)
    http://instantesimprovaveis.blogspot.pt/

    ResponderExcluir